O Sprinkler, também chamado de chuveiro automático, é um dispositivo automático de combate a incêndio. É uma proteção ativa do sistema de proteção, acionado quando há princípio de incêndio no local.

O que forma um sprinkler?

Corpo: é composto por rosca de fixação braços e orifício de descarga de água.

Obturador: é a base de sustentação do bulbo. Quando liberado permite a passagem de água para combate a focos de incêndio.

Elemento de vedação: é o componente que impede o vazamento de água. Fica localizado entre o corpo e o obturador.

Elemento termossensível: pode ser um bulbo, também chamado de ampola de vidro, ou uma liga fusível. É o elemento que libera o obturador.

Defletor: é o elemento que dispersa o jato de água. O jato é liberado de forma direta e compacta contra o defletor. Ao atingir o defletor a água é dispersada e distribuída de maneira abrangente para a área de proteção.

Orifício: local de passagem da água. É localizado no corpo do chuveiro.

 

Para que serve o sprinkler?

O sprinkler é o primeiro mecanismo de proteção e combate a incêndio a ser ativado. Ele combate diretamente o foco, agindo de forma rápida e eficiente, diminuindo ou até mesmo evitando que o fogo se espalhe rapidamente, protegendo os ocupantes da edificação e evitando danos e prejuízos.

Funcionamento de um sprinkler

Quando surge um princípio ou foco de incêndio, o calor gerado faz com que o sprinkler seja ativado. Ao atingir a faixa de temperatura do chuveiro automático, o líquido contido no bulbo é aquecido e a pressão resultante do aquecimento desse líquido faz com que o bulbo se rompa, acionando automaticamente o sistema, permitindo a dispersão da água.

O princípio de funcionamento do sprinkler do tipo liga fusível é o mesmo.

 

Como identificar o tipo de cada sprinkler?

Os sprinklers podem ser identificados por cores. Cada cor representa uma faixa de temperatura para acionamento, conforme a padronização da ABNT (consulte a NBR 16400:2018 – tabela 2).

No Brasil a faixa de temperatura mais utilizada e também produzida é de 68⁰.

 

Quais tipos de sprinklers podemos encontrar?

Existem diversos modelos de sprinkler no mercado. A escolha do tipo deve ser de acordo com cada ambiente onde o chuveiro será instalado.

Os modelos disponíveis são:

Chuveiro em pé: o defletor do chuveiro fica voltado para cima, assim como o jato de água quando liberado é direcionado para cima, contra o defletor.

Imagem 1 – CHUVEIRO EM PÉ. FONTE: http://www.skop.com.br

 

Chuveiro pendente: o defletor do chuveiro fica voltado para baixo, assim como o jato de água quando liberado é direcionado para baixo, contra o defletor.

Imagem 2 – CHUVEIRO PENDENTE. FONTE: http://www.skop.com.br

 

Chuveiro lateral: é instalado em paredes.

Imagem 3 – CHUVEIRO LATERAL. FONTE: http://www.skop.com.br

 

Chuveiro oculto: é embutido. Quando ativado, a placa que oculta o chuveiro é liberada para que o jato de água seja dispersado sobre o foco de incêndio.

Imagem 4 – CHUVEIRO OCULTO. FONTE:  https://www.dinamicacomercial.com.br

 

Chuveiro flush: é parcialmente embutido, instalado acima do forro. Quando ativado o defletor é prolongado para baixo.

Imagem 5 – CHUVEIRO FLUSH. FONTE: https://www.rapidrop.com

 

Chuveiro embutido: é montado dentro de um invólucro embutido.

Imagem 6 – CHUVEIRO EMBUTIDO. FONTE: https://www.dinamicacomercial.com.br

 

Quando devo utilizar um sprinkler?

A obrigatoriedade de utilização de sprinkler deve ser observada de acordo com a análise de risco da edificação, conforme a legislação local (decretos estaduais e instruções técnicas do corpo de bombeiros do estado) e normas regulamentadoras (NBR’s 10897:2014 e 13792
:1997).

Os chuveiros do tipo em pé ou pendentes podem ser utilizados em qualquer tipo de risco, já os chuveiros laterais podem ser utilizados em edificações de risco leve.